segunda-feira, 26 de março de 2012

231 e232 - Gabarito das questões de vestibular - Brasil Primeiro Reinado.

GABARITO - BRASIL – PRIMEIRO REINADO

1. A organização do Estado brasileiro que se seguiu à independência resultou do projeto do grupo:
a) liberal-conservador, que defendia a monarquia constitucional, a integridade territorial e o regime centralizado;
b) maçônico, que pregava a autonomia provincial, o fortalecimento do executivo e a extinção da escravidão;
c) liberal-radical, que defendia a convocação de uma Assembléia Constituinte, a igualdade de direitos políticos e a manutenção da estrutura social;
d) cortesão, que defendia os interesses recolonizadores, as tradições monárquicas e o liberalismo econômico;
e) liberal-democrático, que defendia a soberania popular, o federalismo e a legitimidade monárquica.

2. Assinale a alternativa verdadeira a respeito das determinações da Constituição Brasileira de 1824.
a) Foi elaborada por uma assembléia escolhida pela elite agrária e determinava o regime de voto censitário, apelidada Constituição da Mandioca;
b) Foi elaborada por uma assembléia escolhida pela elite agrária e determinava a transição gradual do regime monárquico para o republicano;
c) Foi imposta ao povo e determinava a clássica divisão do poder em três instâncias: executivo, legislativo e judiciário, sobrepondo a eles um quarto poder – o moderador;
d) Foi imposta, temporariamente, ao povo e determinava o regime de monarquia parlamentar, exercido pelo imperador D. Pedro I e auxiliado por deputados escolhidos pelo voto.
e) Foi imposta pela assembléia e determinava a vigilância do poder real e o sistema de padroado, através do que o imperador devia obedecer, fielmente, à orientações dos bispos católicos.

3. Durante o processo de formação do Estado Nacional brasileiro (século XIX), muito se discutiu sobre a distância entre o Brasil ideal, europeu e branco, imaginado pelos intelectuais e políticos do período, e o Brasil real, periférico e mestiço, herança da colônia e da escravidão. Como decorrência teórica deste contraste, vindo mesmo a marcar profundamente a cultura brasileira, podemos assinalar:
a) a conciliação entre os mais ricos e os mais pobres como prática comum da política, desde os tempos da colônia e da escravidão;
b) a consciência revolucionária do povo brasileiro, expressada em inúmeras ocasiões, que impede as ditaduras e as arbitrariedades dos organismos estatais;
c) o mito da democracia racial, da benevolência das elites e do passado de paz e harmonia entre os brasileiros, que veio a constituir-se na crença sobre o caráter pacífico e conformado do povo brasileiro;
d) a consciência cívica da população, expressada nos momentos eleitorais, em que prevalece invariavelmente a preferência pelo voto ideológico, isto é, recusando os favores, os currais e a mercantilização do voto.
e) todas as alternativas se complementam.

4. Usando o direito que a Constituição me concede, declaro que hei de muito voluntariamente abdicado na pessoa de meu muito amado e prezado filho o Sr. D. Pedro de Alcântara. Boa Vista – 7 de abril de 1831, décimo da independência e do Império – D. Pedro I.
Nesses termos, D. Pedro I abdicou ao trono brasileiro no culminar de uma profunda crise, que não se caracterizou por:
a) antagonismo entre o imperador e parte da aristocracia rural brasileira;
b) empréstimos externos para cobrir o déficit público, gerado, em grande parte, pelo aparelhamento das forças militares;
c) aumento do custo de vida, diminuição das exportações e aumento das importações;
d) pressão das elites coloniais que queriam o fim do império e a implantação de uma república nos moldes dos Estados Unidos;
e) conflitos entre o Partido Brasileiro e o Partido Português e medo da recolonização.

5. A opção pelo regime monárquico no Brasil, após a independência, pode ser explicada:
a) pela atração que os títulos monárquicos exerciam sobre os grandes proprietários rurais;
b) pela crescente popularidade do regime monárquico entre a elite colonial brasileira;
c) pela pressão das oligarquias aliadas aos interesses da Inglaterra e pela defesa da entrada de produtos manufaturados;
d) pelo temor dos ideais abolicionistas defendidos pelos republicanos nas Américas;
e) pelas transformações ocorridas com a instauração da corte portuguesa no Brasil e pela elevação do país a Reino Unido.


01. (Cesgranrio) A concretização da emancipação política do Brasil, em 1822, foi seguida de divergências entre os diversos setores da sociedade, em torno do projeto constitucional, culminando com o fechamento da Assembléia Constituinte.
Assinale a opção que relaciona corretamente os preceitos da Constituição Imperial com as características da sociedade brasileira.
a) A autonomia das antigas capitanias atendia aos interesses das oligarquias agrárias.
b) O poder moderador conferia ao imperador a proeminência sobre os demais poderes.
c) A abolição do Padroado, por influência liberal, assegurou ampla liberdade religiosa.
d) A abolição progressiva da escravidão, proposta de José Bonifácio, foi uma das principais razões da oposição ao imperador D. Pedro l.
e) A introdução do sufrágio universal permitiu a participação política das camadas populares, provocando rebeliões em várias partes do país.

02. (Vunesp) "O quadro político O evidentemente alterado com a nova ordem: quem fazia oposição ao governo se divide em dois grandes grupos – o dos moderados, que estão no poder; os exaltados, que sustentam teses radicais, entre elas a do federalismo, com concessões maiores às Províncias. Outros, deputados, senadores, Conselheiros de Estado, jornalistas... permanecem numa atitude de reserva, de expectativa crítica. Deles, aos poucos surgem os restauradores ou caramurus."
(IGLÉSIAS, Francisco. Brasil, sociedade democrática.) O texto refere-se à nova ordem decorrente
a) da elaboração da Constituição de 1824.
b) do golpe da maioridade.
c) da renúncia de Feijó.
d) da abdicação de D. Pedro I.
e) das revoluções liberais de 1824.

03. (UFSM-RS) Em novembro de 1823, D. Pedro I fechou a Assembléia Constituinte. Em março do ano seguinte, outorgou uma Carta Constitucional à nação. Os liberais protestaram devido ao fato de o imperador haver:
a) desconsiderado o problema da escravidão;
b) desrespeitado a representação dos cidadãos, na figura dos deputados constituintes;
c) assegurado a representação política e a necessidade do diálogo entre as forças políticas da nação;
d) negado a tradição absolutista e o centralismo do Estado imperial;
e) respeitado a autonomia dos grupos dominantes nas diversas províncias do Império.

04. (Vunesp) “Brasileiros! Salta aos olhos a (...) perfídia, são patentes os reiterados perjuros do imperador, e está conhecida a nossa ilusão ou engano em adotarmos um sistema de governo defeituoso em sua origem e mais defeituoso ainda em suas partes componentes. As constituições, as leis e todas as instituições humanas são feitas para os povos e não os povos para elas. Eia, pois, brasileiros, tratemos de constituir-nos de um modo análogo às luzes do século em que vivemos (...), desprezemos as instituições oligárquicas, só cabidas na encanecida Europa." (Manifesto dos revolucionários da Confederação do Equador, 1824.)

Com base no texto indique;
a)       o tipo de governo qualificado como “defeituoso";
Monarquia
b)       o sistema de governo proposto pelos revoltosos.
Republicano

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário